Dificuldade em ler a Bíblia (parte 1)

É muito normal, e frequente, a dificuldade que as pessoas tem em ler a Bíblia. Podemos citar uma série de motivos que vão desde a preguiça simples e pura até a dificuldade que muitos brasileiros tem em ler e compreender o que está escrito (nesse caso, o problema não é espiritual, mas sim, de educação na língua portuguesa).

Pensei em algumas dicas que podem ajudar aqueles que se encontram nessa dificuldade para que tenham um contato mais facilitado com a palavra de Deus.

1. Opte pela qualidade e não pela quantidade. Lembro que a muitos anos, fiz um propósito com um amigo de ler a Bíblia de uma forma radical: 10 capítulos por dia. Eu era estudante ainda, e o tempo era o meu aliado. Resultado: li a Bíblia inteira em menos de três meses (em muitos dias li mais do que “só” 10 capítulos). Entretanto, para a maioria das pessoas, a possibilidade de uma leitura quantitativamente radical não existe. O que fazer? A resposta é simples: opte pela qualidade da leitura, em outras palavras, é melhor um capítulo da Bíblia bem lido do que nenhum. Muitos podem pensar que ler um capítulo por dia é um exercício modesto. Mas você já imaginou que depois de um mês, por exemplo, você já terá lido o Evangelho de Mateus por inteiro, e depois de um trimestre, quase a totalidade dos quatro Evangelhos? Já dizia o bom ditado: “devagar e sempre”. Talvez, caro leitor, essa seja a sua forma de ler a Palavra de Deus diariamente.

2. Escolha uma versão da Bíblia que você possa compreender. A primeira Bíblia que tive contato na minha vida, a mais de trinta anos, foi a boa e velha Almeida Atualizada (ARA). A maioria dos versículos que memorizei foi nessa versão. Entretanto, a Almeida tem um problema: seu vocabulário é incompatível com o vocabulário que a maioria das pessoas tem em seus cérebros. Claro, eu sei que a linguagem da Almeida é rica e, em muitos momentos, elegante. No entanto, para um exercício devocional, é melhor você ler uma versão que você compreenda do que simplesmente ater-se às versões que carregam um português não atual. Se você não entende aquilo que está lendo, que proveito há em insistir nas versões “clássicas”? O Brasil é um país abençoado porque dispomos, em nossa língua, de uma grande quantidade de versões com linguagem mais contemporâneas, fieis ao texto nas línguas originais. Tente ler uma Nova Versão Internacional (NVI), uma Nova Versão Transformadora (NVT), ou, se for o caso, a mais “fácil” de todas: a Nova Tradução da Linguagem de Hoje (NTLH).

3. Seja amigo do “pai dos burros”. O dicionário, conhecido pela alcunha injusta de “pai dos burros”, na verdade, deve ser seu companheiro na jornada de leitura da Bíblia. Não tenha medo de procurar o significado das palavras que você não conhece! Além de um exercício espiritual, a leitura bíblica é um exercício intelectual: ao longo de um período de leitura bíblica, você perceberá nitidamente que conhecerá muito mais palavras do que antes. Quando eu era criança, por exemplo, ficava curioso com a palavra “regozijo" (na verdade, nem sabia pronunciá-lo corretamente), até que entendi que significa simplesmente alegria, gozo. Tá aí: mais uma palavra nova na minha lista de vocabulário!

4. Pinte, anote, marque! Sou ainda da geração de pessoas que não consegue se livrar da versão impressa da Bíblia. Nela, eu não tenho nenhum pudor em usar meus marca-textos para sublinhar tudo o que eu acho importante (Lógico, tudo na Bíblia é importante. Mas, dependendo do dia, você é “tocado“ por um trecho, uma frase, uma palavra. Pronto. Marque-a!). Além disso, costumo usar as margens estreitas da Bíblia para anotar minhas observações. Hoje, dispomos de Bíblias digitais que cabem no nosso celular. Nesse caso, em quase todos os aplicativos, temos os mesmos recursos de marcar, colocar observações, etc. Não importa o “gadget”, deixe a sua marca no texto!

continua…

  • Deixe nos comentários a sua dica para uma leitura mais descomplicada da Bíblia!