Desobediência: Como arruinar a sua vida espiritual? (Jn 1:1-10)

Introdução

Na semana passada introduzimos o tema central do livro de Jonas e refletimos sobre a vida-cristã-ladeira-abaixo. Uma vez que Jonas desobedeceu a Deus, a vida dele entrou em queda livre (fugir, descer). Hoje, gostaria de explorar um segundo aspecto da desobediência que está relacionado com a questão da ruína espiritual. Sabe aquele sentimento que você tem que a sua vida espiritual está mais-ou-menos? Quando você se sente em muita falta com Deus e isso te deixa mal? Quando você acha que está longe de Deus… Pois é, o relato de Jonas nos dá um diagnóstico cirúrgico a respeito da razão pela qual você pode estar se sentindo assim hoje: essa razão se chama, mais uma vez, desobediência

A minha oração é que, por meio da história de Jonas, possamos aprender a valiosa lição de que a qualidade da nossa vida espiritual depende diretamente da nossa obediência a Deus. Pensando de maneira contrária, nosso mais “inocente” ato de desobediência voluntária pode trazer consequências muito sérias. Afinal, como Jonas conseguiu jogar na lata do lixo da sua vida espiritual?

1. A desobediência voluntária é o início da ruína espiritual.

Diante da ordem de Deus para Jonas ir urgentemente à grande cidade de Nínive para anunciar o seu juízo, Jonas se levanta para fugir da presença do Senhor. O texto deixa a intenção de Jonas bem claro: “Mas Jonas fugiu da presença do Senhor, dirigindo-se para Társis.” (Jn 1:3). Então, Jonas não tinha a mínima vontade de obedecer àquilo que Deus havia ordenado que ele fizesse.

O que a palavra de Deus nos mostra por meio da vida de Jonas é que a nossa ruína espiritual começa com um ato simples de desobediência. Era como se Jonas estivesse mostrando por meio dos seus pensamentos e ações que Ele não estava nem um pouco a fim de obedecer à ordem inicial de Deus. Logo após ele ouvir Deus falando com ele, ele simplesmente foge. Essa fuga não mostra que Jonas achava que podia simplesmente fugir de Deus, mas sim, que ele tomou uma decisão de não fazer aquilo que Deus estava mandando. E mais, ele resolve fazer justamente o contrário. Enquanto que Deus mandou Jonas ir para Nínive, ao leste, Jonas vai na direção oposta, ao oeste, cada vez mais longe. O relato bíblico continua no versículo 3: “Desceu à cidade de Jope, onde encontrou um navio que se destinava àquele porto. Depois de pagar a passagem, embarcou para Társis, para fugir do Senhor.

Em muitos momentos da nossa vida nos deparamos com situações como essa. Nós sabemos qual é a vontade de Deus para as nossas vidas. Mas, por essa vontade não ser aquele que nós queremos para nós mesmos, escolhemos simplesmente desobedecer. E pense bem por um instante. A maioria das vezes que nós desobedecemos a Deus é por nossa escolha própria não? Em todos os momentos que nos sentimos fracos espiritualmente, ou em todos os momentos que nós nos sentimos longe de Deus, é quase certo que a desobediência, em algum aspecto da sua vida, pode estar ocorrendo. Será que você tem obedecido a Deus de forma fiel e verdadeira? 

Desobedecer a Deus é apenas o começo de toda a nossa ruína espiritual. Podemos medir, de maneira certa, que a qualidade da nossa relação com Deus está baseado em quanto nós O obedecemos e confiamos Nele. Desobedecer a Deus, então, é um ato voluntário, na maioria das vezes, em que declaramos por meio das nossas ações que não confiamos em Deus e que sabemos o que é melhor para nós mesmo, muito mais do que o próprio Deus.

2. A desobediência voluntária traz consequências para mim e para aqueles que me cercam.

Vamos ler o versículo 4: “O Senhor, porém, fez soprar um forte vento sobre o mar, e caiu uma tempestade tão violenta que o barco ameaçava arrebentar-se.” Por que Deus soprou uma tempestade terrível sobre o mar? Por causa da desobediência de Jonas, não? Bom isso é evidente pelo texto. Entretanto o que nos causa mais supresa é a seguinte: haviam outras pessoas naquele barco, e provavelmente naquele mar, em outras embarcações. Não era mais fácil Deus agir de forma cirúrgica, castigando apenas, e tão somente, Jonas? Por que pessoas inocentes em relação à desobediência de Jonas tinham que pagar pelo castigo que Deus estava dando sobre Jonas?

Esse relato nos revela algo muito importante sobre o pecado, representado pela desobediência do profeta Jonas. O pecado é algo tão sério que nunca termina em mim mesmo. Eu posso pecar, mas a dimensão do meu pecado é algo tão grave que é sempre para além de mim. A Bíblia está cheia de exemplos em que o pecado de uma pessoa trouxe consequências negativas para família ou um país inteiro. Quando vemos, por exemplo, a vida de Davi, quando ele adulterou com Bateseba, o castigo de Deus de seu pecado, aquele pecado que ele cometeu de forma oculta aos olhares de todos, se abateu sobre o filho fruto desse adultério: a criança morreu sete dias após ele ter nascido (cf. 2Sm 12:18).

Pela desobediência ser algo tão grave diante de Deus é que não somente arruina nossa vida espiritual particular, mas pode gerar consequências problemáticas na vida daquelas pessoas que nos cercam. Sabe qual é melhor forma de abençoar aquelas pessoas que nos rodeiam? Sabe qual é a forma de você ser o melhor filho, ou filha? Sabe qual é a forma que Deus quer que você seja bênção na vida das pessoas? O relato de Jonas nos ensina que é por meio da obediência a Deus.

3. A desobediência voluntária nos faz cairmos em um mundo de “faz-de-conta” 

O versículo 5 diz o seguinte: “Todos os marinheiros ficaram com medo e cada um clamava ao seu próprio deus. E atiraram as cargas ao mar para tornar mais leve o navio. Enquanto isso, Jonas, que tinha descido para o porão e se deitado, dormia profundamente.” Imagine a situação. O barco quase quebrando ao meio por causa da tempestade. Toda a tripulação fazendo de tudo para domar aquela situação. Todos depositando suas esperanças nos seus deuses. Enquanto isso, Jonas, no fundo do barco, estava dormindo profundamente.

Sabe naqueles dias em que passamos por tantos problemas, tantos estresses, que a única vontade que dá é ir para casa, entrar dentro do cobertor e dormir? Dormir na esperança que tudo passe como num passe de mágica. Dormir “fazendo-de-conta” que nada daquilo está acontecendo. Dormir para fugir da realidade. Sim, foi exatamente o que Jonas resolveu fazer. Ele dormiu tão profundamente que ele não percebeu que todos estavam prestes a morrer em um terrível naufrágio!

Essa á a consequência mais aguda da desobediência a Deus: nós achamos simplesmente fugimos de Deus, vamos para a direção oposta, achando que nós teremos paz e sossego. Achamos que fizemos a melhor opção: a mais confortável, a mais racional e entramos em um mundo de “faz-de-conta”: faz-de-conta que Deus não existe, faz-de-conta que Deus não falou comigo, faz-de-conta que não sei de nada, não vi nada. Por fim, faz-de-conta que tudo vai dar certo. A desobediência nos leva ao maior engano de todos: achar que tudo vai dar certo quando você desobedece a Deus.

A vontade de Deus é a melhor! A Bíblia diz que a vontade de Deus é “boa, perfeita e agradável” (Rm 12:2). Entretanto, isso não quer dizer que essa vontade seja fácil de se obedecer. Às vezes, é difícil viver segundo a vontade de Deus. Você sabe disso. Somos convidados a entrar pela porta estreita, ir na contra-mão do mundo, colocar em segundo plano os meus desejos. É tão tentador eu desobedecer a Deus, não? Mas uma coisa que Deus nos ensina por meio da sua palavra é que a obediência é o único caminho que faz com que tenhamos uma vida de qualidade. Deus nos mostra a sua verdade e somos convidados a obedecer.

Qual é a forma mais prática de obedecer a Deus? Viva uma rotina com Deus, uma rotina de obediência: leia a palavra de Deus e obedeça o que está escrito. Se esforce na sua vida dentro da igreja, porque a igreja é o lugar onde aprendemos a obedecermos na prática. Ore, converse com Deus. Não há nada aqui que seja segredo para você. Obediência é treino. Obediência é disciplina. Obediência é rotina, uma bendita rotina!

Conclusão

Uma das maiores e mais frequentes queixas que eu tenho dos irmãos da igreja, seja essa e seja de qualquer outra é a seguinte: está difícil viver uma vida de qualidade com Deus. Parece que a vida espiritual está sempre ladeira a baixo. O texto de hoje nos ajuda a diagnosticar a principal razão para isso estar acontecendo com você: desobediência voluntária. E não estou falando de pecados que nós classificamos como grave nos nossos padrões como matar alguém, se prostituir ou blasfemar. Estou falando em um simples ato de ouvir Deus falar com você e você escolher desobedecer. 

Jonas desobedeceu a Deus, e por isso, sua vida espiritual começou a arruinar-se. Jonas desobedeceu e por isso a sua desobediência trouxe consequências sérias não somente para ele próprio mas também sobre aqueles que o cercavam. E por fim, Jonas achou que tudo ficaria bem, mesmo depois de desobedecer a Deus. Hoje, será que você não está vivendo essa realidade de faz-de-conta? Será que você não é um fugitivo de Deus? Se esse for o seu caso, se sua vida espiritual não estiver em um patamar que mesmo classifique como satisfatório, se você acha que está mal, o Espírito Santo te convida a mais uma vez ouvir a sua voz e a obedecer.

Jonas nos mostra o que não devemos fazer. A história de Jonas nos ensina a olhar para uma outra pessoa. Aquele que sob condições semelhantes, teve uma atitude diferente. Certo dia, Jesus estava no barco com os discípulos e a tempestade começou a ameaçá-los de morte. Naquela situação, Jesus estava dormindo profundamente. Da mesma forma que os tripulantes acordaram Jonas, os discípulos acordaram Jesus pedindo ajuda. Mas, diferente de um Jonas que estava lá fugindo da presença de Deus, Jesus, aquele que sempre obedeceu ao Pai, subiu na proa do barco e simplesmente repreendeu o mar e a tempestade e tudo se acalmou (cf. Mt 8:23-27; Mc 4:35-41; Lc 8:22-25).

Quem obedece a Deus, enfrenta as tempestades da vida, como Jesus. 

Quem desobedece, simplesmente faz-de-conta que a tempestade não está lá.

Que possamos obedecer a Deus, pois obedecer é SEMPRE a melhor solução!

* Mensagem pregada na Igreja Presbiteriana Sin Am, 15 de setembro de 2018, domingo de páscoa.